Schedules and Box Office
  •  
     
    ENCONTROS DA IMAGEM 2023 - ON THE EXPLORATION OF FRAGMENTED FUTURES
    September 16 to October 21, 2023
  • Programa
  • quarta a sábado 14H30-18H30
    Main Hall
    Entrada livre
    Carlos Barradas
    On the exploration of fragmented futures

    Como abordar algo que ainda não existe, tão intangível quanto o futuro? Melhor ainda, o que é o futuro, para quem se destina, e em que circunstâncias? Será o futuro uma entidade uniforme e homogénea ou, pelo contrário, existirão múltiplos futuros, muitas vezes divergentes? Este trabalho explora algumas destas questões num território específico, como é o caso da cidade de Braga.  Vivemos atualmente num tempo onde o futuro está bem presente. As catástrofes que outrora se julgavam iminentes tornaram-se, através do Antropoceno, a regra geral da nossa existência contemporânea. Convergem com desenvolvimentos científicos inovadores, em sociedades mais ou menos dinâmicas, em opções políticas, e nas instituições que as suportam. Antigas e novas formas de espiritualidade e religião, extensões dos corpos humanos e da sua imaginação, bem como esses mesmos corpos e as imaginações e expetativas que lhes são inerentes, viajam frequentemente para lugares distantes, revelando histórias de grande coragem, resiliência e sofrimento. O tempo e os futuros são, assim, entendidos, percecionados, contados, moldados e sentidos de formas particularmente divergentes, revelando a sua heterogeneidade e a inevitabilidade da sua construção individual e social. Pensar estas questões exige a necessidade de pensar o tempo sincrónico ou diacrónico como maleável, fluido, entrelaçando experiências imaginadas e vividas, individuais e coletivas. Estas são criadas e adaptadas de acordo com as seis orientações que os antropólogos Rebecca Bryant e Daniel Knight sugeriram para determinar as diferentes profundidades e urgências destes futuros: antecipação, expetativa, especulação, potencialidade, esperança e destino. Para o efeito, perguntei ao ChatGPT, a agora inevitável ferramenta de IA, quem e o que contribuía para estabelecer diferentes futuros em Braga, e como esses futuros se desenvolviam. Isto revelou várias conceções do que é o futuro, ou os futuros, relativamente ao que não há muito tempo era o futuro, neste caso a IA. Como tal, este trabalho tornou-se um portal para os diferentes e por vezes concorrentes futuros de Braga através das diferentes formas de navegar no presente. Pretende reimaginar a nossa relação com estes futuros fragmentados, chamando à ação noções lineares e não lineares de tempo e temporalidades, através da ciência, religião e espiritualidade, tradição, saúde, educação e, claro, fluxos migratórios. Estes estão emaranhados e permeados em tempo compactado ou tempo expandido, com os coletivos a que pertencemos, com as identidades que partilhamos, com os mapas e cosmologias locais através dos quais nos movemos. Indo um pouco mais além, pedi ao ChatGPT que me dissesse como fazer a fotografia que trataria deste futuro específico, indagando sobre composição, luz, profundidade de campo, pose, entre as demais regras fotográficas usuais. Nesse sentido, a minha intenção era manter a minha agência artística, ao mesmo tempo que lidava e negociava com o inevitável novo futuro-que-se-torna-presente, a IA. Uma espécie de abordagem curatorial.  Com este trabalho, pretendi questionar os mecanismos através dos quais ativamos os futuros que são mais significativos para nós, sabendo que os configuramos consoante a nossa experiência, antecedentes, identidades e muitas outras variáveis. Como podemos antecipar as consequências desejadas e não desejadas? Que profecias podemos afirmar com um grau de certeza fiável, sabendo que estes futuros que projetamos, ou em que vivemos, são permanentemente desafiados, alterados ou distorcidos? Este é um primeiro passo para compreender a profundidade, a complexidade e a heterogeneidade de tais 'futuros'.
quarta a sábado 14H30-18H30
Main Hall
Entrada livre
Carlos Barradas
On the exploration of fragmented futures

Como abordar algo que ainda não existe, tão intangível quanto o futuro? Melhor ainda, o que é o futuro, para quem se destina, e em que circunstâncias? Será o futuro uma entidade uniforme e homogénea ou, pelo contrário, existirão múltiplos futuros, muitas vezes divergentes? Este trabalho explora algumas destas questões num território específico, como é o caso da cidade de Braga.  Vivemos atualmente num tempo onde o futuro está bem presente. As catástrofes que outrora se julgavam iminentes tornaram-se, através do Antropoceno, a regra geral da nossa existência contemporânea. Convergem com desenvolvimentos científicos inovadores, em sociedades mais ou menos dinâmicas, em opções políticas, e nas instituições que as suportam. Antigas e novas formas de espiritualidade e religião, extensões dos corpos humanos e da sua imaginação, bem como esses mesmos corpos e as imaginações e expetativas que lhes são inerentes, viajam frequentemente para lugares distantes, revelando histórias de grande coragem, resiliência e sofrimento. O tempo e os futuros são, assim, entendidos, percecionados, contados, moldados e sentidos de formas particularmente divergentes, revelando a sua heterogeneidade e a inevitabilidade da sua construção individual e social. Pensar estas questões exige a necessidade de pensar o tempo sincrónico ou diacrónico como maleável, fluido, entrelaçando experiências imaginadas e vividas, individuais e coletivas. Estas são criadas e adaptadas de acordo com as seis orientações que os antropólogos Rebecca Bryant e Daniel Knight sugeriram para determinar as diferentes profundidades e urgências destes futuros: antecipação, expetativa, especulação, potencialidade, esperança e destino. Para o efeito, perguntei ao ChatGPT, a agora inevitável ferramenta de IA, quem e o que contribuía para estabelecer diferentes futuros em Braga, e como esses futuros se desenvolviam. Isto revelou várias conceções do que é o futuro, ou os futuros, relativamente ao que não há muito tempo era o futuro, neste caso a IA. Como tal, este trabalho tornou-se um portal para os diferentes e por vezes concorrentes futuros de Braga através das diferentes formas de navegar no presente. Pretende reimaginar a nossa relação com estes futuros fragmentados, chamando à ação noções lineares e não lineares de tempo e temporalidades, através da ciência, religião e espiritualidade, tradição, saúde, educação e, claro, fluxos migratórios. Estes estão emaranhados e permeados em tempo compactado ou tempo expandido, com os coletivos a que pertencemos, com as identidades que partilhamos, com os mapas e cosmologias locais através dos quais nos movemos. Indo um pouco mais além, pedi ao ChatGPT que me dissesse como fazer a fotografia que trataria deste futuro específico, indagando sobre composição, luz, profundidade de campo, pose, entre as demais regras fotográficas usuais. Nesse sentido, a minha intenção era manter a minha agência artística, ao mesmo tempo que lidava e negociava com o inevitável novo futuro-que-se-torna-presente, a IA. Uma espécie de abordagem curatorial.  Com este trabalho, pretendi questionar os mecanismos através dos quais ativamos os futuros que são mais significativos para nós, sabendo que os configuramos consoante a nossa experiência, antecedentes, identidades e muitas outras variáveis. Como podemos antecipar as consequências desejadas e não desejadas? Que profecias podemos afirmar com um grau de certeza fiável, sabendo que estes futuros que projetamos, ou em que vivemos, são permanentemente desafiados, alterados ou distorcidos? Este é um primeiro passo para compreender a profundidade, a complexidade e a heterogeneidade de tais 'futuros'.
Other shows
June 29, 2024 / Others
Crianças ao Poder: Nesta Manta Cabe - Sessão-concerto para bebés e crianças
MoreMore
June 29, 2024 / Others
Crianças ao Poder: Officina de Marionetas de Papel
MoreMore
July 6, 2024 / Others
Companhia de Espectadores
MoreMore
All shows
Seta Submit Seta Email Facebook Facebook Twitter Instagram Pintrest Vimeo Yootube Soundcloud Soundcloud Soundcloud
The use of cookies at Teatro Circo de Braga’s website serves only to register the language chosen by the user and to verify if the user accepted the cookie. If you continue to use this website, it is assumed that you accept these cookies.