Schedules and Box Office
  •  
     
    CALÍGULA
    June 15 a 18, 2021
  • Programa
  • Tuesday - 19:00
    Wednesday - 19:00
    Thursday - 19:00
    Friday - 19:00
    Small Auditorium
    M12
    10 €
    Cartão Quadrilátero
    5 €
    Buy ticket
     
    Book tickets
    Porque Calígula é a carroça destravada contra o destino, a revolta contra a condenação à morte do homem pelo facto de o ser, o desafio contra tudo e contra todos de um ser humano que ainda não soube converter o absurdo do mundo em felicidade. Na cena nove do primeiro ato proclama Calígula a sua decisão de exercer um poder sem fronteiras, a que responde Cesónia com declarada tristeza “não sei se há que alegrar-se por isso”. Exatamente. Não tem que alegrar-se por isso. E por isso as democracias do mundo arquitetaram fórmulas para instalar fronteiras contra os desejos do poder sem fronteiras. Chama-se a isso Estado de Direito. Mecanismos que protegem (ou deviam) o cidadão da arbitrariedade e da tentação autocrática. E ao governante da atração do abuso. E, contudo, há ocasiões em que esta certeza, ainda se torna necessário ser proclamada, defendida, armada de argumentos, porque como afirmava Durrenmatt estes “são tempos estanhos em que há que lutar pelas evidências”.  
    Autor: Albert Camus | Tradução: Manuel Guede · Sílvia Brito | Encenação: Manuel Guede Cenografia: Acácio de Carvalho Figurinos: Manuela Bronze , Filipa Martins | Desenho de luz: Fábio Tierri | Criação de som: Grasiela Muller | Fotografia:  Eduarda Filipa | Elenco: Sílvia Brito, Solange Sá, Eduarda Filipa, Rogério Boane, André Laires, Carlos Feio, António Jorge. *Diamantino Esperança, José Augusto Ribeiro, Luís Beltão, Ana Cristina Oliveira, Paula Fonseca, Teresa Ferreira. *elementos da Comunidade de Leitura de Textos Dramáticos do projecto BragaCult 
Tuesday - 19:00
Wednesday - 19:00
Thursday - 19:00
Friday - 19:00
Small Auditorium
M12
10 €
Cartão Quadrilátero
5 €
Buy ticket
 
Book tickets
Porque Calígula é a carroça destravada contra o destino, a revolta contra a condenação à morte do homem pelo facto de o ser, o desafio contra tudo e contra todos de um ser humano que ainda não soube converter o absurdo do mundo em felicidade. Na cena nove do primeiro ato proclama Calígula a sua decisão de exercer um poder sem fronteiras, a que responde Cesónia com declarada tristeza “não sei se há que alegrar-se por isso”. Exatamente. Não tem que alegrar-se por isso. E por isso as democracias do mundo arquitetaram fórmulas para instalar fronteiras contra os desejos do poder sem fronteiras. Chama-se a isso Estado de Direito. Mecanismos que protegem (ou deviam) o cidadão da arbitrariedade e da tentação autocrática. E ao governante da atração do abuso. E, contudo, há ocasiões em que esta certeza, ainda se torna necessário ser proclamada, defendida, armada de argumentos, porque como afirmava Durrenmatt estes “são tempos estanhos em que há que lutar pelas evidências”.  
Autor: Albert Camus | Tradução: Manuel Guede · Sílvia Brito | Encenação: Manuel Guede Cenografia: Acácio de Carvalho Figurinos: Manuela Bronze , Filipa Martins | Desenho de luz: Fábio Tierri | Criação de som: Grasiela Muller | Fotografia:  Eduarda Filipa | Elenco: Sílvia Brito, Solange Sá, Eduarda Filipa, Rogério Boane, André Laires, Carlos Feio, António Jorge. *Diamantino Esperança, José Augusto Ribeiro, Luís Beltão, Ana Cristina Oliveira, Paula Fonseca, Teresa Ferreira. *elementos da Comunidade de Leitura de Textos Dramáticos do projecto BragaCult 
Other shows
May 21, 2021 / Theater
DEMOCRACY HAS BEEN DETECTED
MoreMore
May 22, 2021 / Music
PARAGUAII
MoreMore
May 24, 2021 / Movies
HAPPY TOGETHER — FELIZES JUNTOS
MoreMore
All shows
Seta Submit Seta Email Facebook Facebook Twitter Instagram Pintrest Vimeo Yootube Soundcloud Soundcloud Soundcloud
The use of cookies at Teatro Circo de Braga’s website serves only to register the language chosen by the user and to verify if the user accepted the cookie. If you continue to use this website, it is assumed that you accept these cookies.