Theatro Circo
 
Companhia de teatro de Braga
Companhia residente

O Theatro Circo acolhe desde 1986, como estrutura de criação residente, a Companhia de Teatro de Braga, ao abrigo de um protocolo com a Autarquia.
Esta estrutura, com autonomia jurídica, administrativa e financeira do Theatro Circo, tem apoio regular do Ministério da Cultura, Câmara Municipal de Braga e de um grupo de empresas da região ao abrigo da Lei do Mecenato.

CTB - Companhia de Teatro de Braga
A CTB é a companhia residente do Theatro Circo.
Fundada no Porto em 1980 e desde 1984 radicada em Braga, no âmbito dum protocolo com o Município. O projeto artístico da CTB cruza, o sempre renovado interesse pelas novas dramaturgias com a experimentação, através da sua prática teatral, sobre o grande legado dramatúrgico da Humanidade: os clássicos. O projeto pretende contribuir para fazer de Braga e do Theatro Circo uma placa giratória de confronto e experimentação artística teatral entre criadores da Europa e do Espaço Lusófono, incluindo neste espaço a vizinha Galiza. A Companhia desenvolve e aprofunda o seu projeto artístico nas áreas da criação teatral, formação de públicos, criação vídeo e som e edição. Nestas áreas mantém projetos de parceria, intercâmbio e co-produção, com várias estruturas de criação e criadores nacionais e estrangeiros.

1915 – 1980 - 2015
A CTB comemora este ano 35 anos de atividade regular, quando o Theatro Circo, um dos grandes teatros do país, comemora o seu primeiro Centenário. Ano de Comemorações. Ano de Memórias. Anos de Futuro.

A CTB é financiada quadrienalmente, no âmbito de um acordo tripartido por: Governo de Portugal / Secretário de Estado da Cultura / DGArtes / Município de Braga e tem como Mecenas Exclusivo a empresa DST group.

www.ctb.pt
companhiadeteatrodebraga.blogspot.com

Liberdade. Solidão. Cidadania. Viagem.

A atividade da CTB no quadriénio 2013 /2016, desenvolve-se a partir de 3 conceitos estruturantes: Liberdade. Solidão. Cidadania. A criação artística centrar-se-á na questão da Liberdade e da Solidão. A formação de públicos, manter-se-á, tal como nos dois anos anteriores, sobre o signo da Cidadania. A circulação nacional e internacional sob o signo da Viagem.

Na criação teatral a escolha dos autores e dos textos, assenta na reflexão sobre o indivíduo em sociedade. A Cidade como espaço público asfixiante e a Casa como espaço íntimo de Liberdade. Uma e Outra num itinerário de abandono, de desistência, da perda da dignidade. E a luta quotidiana de cada um para resistir. Com que armas? Com a Palavra, dizemos nós.

Os espectáculos da CTB pretendem dar testemunho dos tempos que vivemos. E estes tempos, de guerra declarada dos governos contra os povos, mais responsabilizam os criadores, na busca, identificação e fixação dos sinais que vamos descortinando. Há hoje uma preocupante e trágica desvalorização da Palavra, seja no plano político, seja no plano ético. Coisificamos e relativizamos tudo e tornamo-nos irresponsáveis por isso. Tal como a Palavra, também o conceito do Trágico sofreu, no decorrer dos tempos modificações, mas nunca nos imaginámos tão perto duma nova realidade de tragédia. Agora mais profunda e dolorosa, que interroga cada um e a que, talvez, pela surpresa, já não saibamos responder.

Grande Circo da Vida: Liberdade e Solidão
Assim, a alguns espectáculos sobre estas temáticas que vieram dos anos anteriores, juntamos em 2015 as novas criações, NO ALVO de Thomas Bernhard; MÁQUINA DO MUNDO de Alexej Schipenko e ORATÓRIA DO VENTO de Vergílio Alberto Vieira. É o nosso contributo de artistas empenhados, na procura de uma sociedade onde a dignidade humana, o respeito pelo Outro e pela diversidade cultural, nos convoque a todos para um outro Tempo e uma nova Cidade.

 

Rui madeira,
diretor artístico da CTB.

Ficha Técnica

Diretor Artístico

Rui Madeira


Conselho Artístico

Alexej Schipenko, Ana Bustorff, Anna Langhoff, Manuel Guede Oliva, Rui Madeira


Elenco Fixo

André Laires, Carlos Feio, Jaime Monsanto, Jaime Soares, Rogério Boane, Rui Madeira, Solange Sá, Thamara Thais


Atores Convidados

Alexandre Sá, Ana Bustorff, António Jorge, Sílvia Brito


Estagiários

Hugo Silva (mestrando em Mediação Cultural e Literária)


Cenografia

Samuel Hof, pintor Alberto Péssimo, Arqtº Jorge Gonçalves


Figurinos

Sílvia Alves


Criação Gráfica

Carlos Sampaio, Paulo Nogueira


Fotografia

Paulo Nogueira


Centro de Criação de Vídeo e de Som Rodaviva

Frederico Bustorff Madeira, Madlen Wüst Pinto, Pedro Pinto


Secretariado

Manuela Ferreira


Relações Públicas, Produção e Assessoria de Imprensa

Lícia Cunha


Coordenação do projeto BragaCult

Vera Afonso


Gestão

Vilma Magalhães


Equipa Técnica de Construção e Montagem

Alfredo Rosário (Theatro Circo), Celeste Gomes (Costureira), Fernando Gomes (Theatro Circo), João Chelo, Vicente Magalhães (Theatro Circo)

Seta Submit Seta Email Facebook Facebook Twitter Instagram Pintrest Vimeo Yootube Soundcloud Soundcloud Soundcloud