Schedules and Box Office
  •  
     
    O TRIUNFO SOBRE OS PORCOS
    February 13, 2019
  • Programa
  • Wednesday
    21:30
    Small Auditorium
    M14
    10€
    Cartão Quadrilátero
    5€
    Buy ticket
     
    Book tickets

    Estamos algures para lá do ano de 2084. A morte é um tabu porque se criou a ideia da eternidade do Homem baseada nos avanços tecno-biónicos e na redução demográfica drástica. Restam alguns serviçais (em breve a serem substituídos por inteligência artificial de última geração; e os ‘caídos’ que são perseguidos e desprezados, mas a quem a Igreja acolhe à noite nas capelas, por compaixão e defesa da vida humana no meio de uma sociedade ultra- indivudualista e amoral. Já não há, entre os poderosos, procriação natural, mas encomendas de bebés com orelhas de canguru ou outras bizarrias. O sexo deixou de ser expressão de amor ou jogo de afectos para ser um dever social, sobretudo valorizado pelo incesto. Neste quadro de fundo, dois irmãos (Apolo e Rasputina) aguardam o disfarce do cadáver do pai para sair para a rua como se fosse para a Gronelândia exterminar pinguins! Acompanha-os uma prima a quem extraíram metade dos tímpanos, porque ‘tinha manias’ de ouvir coisas que não devia e puseram-lhe implantes de infravermelhos para ver melhor… Registada com o nome de Magdala ‘porque as magdalenas estavam esgotadas’, acrescenta por si mesma o nome “de Maria”; de vez em quando entra numa espécie de transe e diz coisas, para eles sem sentido, com uma convicção que mistura conceitos cristãos com doutrinas marxistas e a evocação de artistas, numa certa dislexia verbal. Passa também por cena, para uma sessão sadomasoquista (banalizada como coisa divertida naquelas vivências) uma tal Hedónica, viúva do general Daesh! Todavia, no final… Numa estética ousada e “exquisita” (como o próprio autor do texto e da encenação lhe chama), misturam-se técnicas da biomecânica meyerholdiana na representação com uma ironia de um diálogo surrealizante e carregado de neologismos e palavras de carácter conotativo, como só a língua portuguesa permite levar tão longe. O que faz de uma distopia trágica um repositório de humor que se aproxima dos ‘disparates’ dos Irmãos Marx e o cinismo de Sacha Guitry…

    Texto, Encenação e Espaço Cénico: CASTRO GUEDES |interpretação: RUI SPRANGER, SANDRA SALOMÉ, FILOMENA GIGANTE e DANIELA JESUS | Apoio para ‘Figurinos’: Cátia Barros | Iluminação: Eduardo Brandão | Banda Sonora:Vladimiro Alcindo | Vídeo e Fotos: Lucyano Lopes | Quadro de Cena: Ricardo Campus (“O Proletariado Crucificado”)







Wednesday
21:30
Small Auditorium
M14
10€
Cartão Quadrilátero
5€
Buy ticket
 
Book tickets

Estamos algures para lá do ano de 2084. A morte é um tabu porque se criou a ideia da eternidade do Homem baseada nos avanços tecno-biónicos e na redução demográfica drástica. Restam alguns serviçais (em breve a serem substituídos por inteligência artificial de última geração; e os ‘caídos’ que são perseguidos e desprezados, mas a quem a Igreja acolhe à noite nas capelas, por compaixão e defesa da vida humana no meio de uma sociedade ultra- indivudualista e amoral. Já não há, entre os poderosos, procriação natural, mas encomendas de bebés com orelhas de canguru ou outras bizarrias. O sexo deixou de ser expressão de amor ou jogo de afectos para ser um dever social, sobretudo valorizado pelo incesto. Neste quadro de fundo, dois irmãos (Apolo e Rasputina) aguardam o disfarce do cadáver do pai para sair para a rua como se fosse para a Gronelândia exterminar pinguins! Acompanha-os uma prima a quem extraíram metade dos tímpanos, porque ‘tinha manias’ de ouvir coisas que não devia e puseram-lhe implantes de infravermelhos para ver melhor… Registada com o nome de Magdala ‘porque as magdalenas estavam esgotadas’, acrescenta por si mesma o nome “de Maria”; de vez em quando entra numa espécie de transe e diz coisas, para eles sem sentido, com uma convicção que mistura conceitos cristãos com doutrinas marxistas e a evocação de artistas, numa certa dislexia verbal. Passa também por cena, para uma sessão sadomasoquista (banalizada como coisa divertida naquelas vivências) uma tal Hedónica, viúva do general Daesh! Todavia, no final… Numa estética ousada e “exquisita” (como o próprio autor do texto e da encenação lhe chama), misturam-se técnicas da biomecânica meyerholdiana na representação com uma ironia de um diálogo surrealizante e carregado de neologismos e palavras de carácter conotativo, como só a língua portuguesa permite levar tão longe. O que faz de uma distopia trágica um repositório de humor que se aproxima dos ‘disparates’ dos Irmãos Marx e o cinismo de Sacha Guitry…

Texto, Encenação e Espaço Cénico: CASTRO GUEDES |interpretação: RUI SPRANGER, SANDRA SALOMÉ, FILOMENA GIGANTE e DANIELA JESUS | Apoio para ‘Figurinos’: Cátia Barros | Iluminação: Eduardo Brandão | Banda Sonora:Vladimiro Alcindo | Vídeo e Fotos: Lucyano Lopes | Quadro de Cena: Ricardo Campus (“O Proletariado Crucificado”)







Other shows
December 18, 2018 / Theater
Una Donna Sola
MoreMore
December 20, 2018 / Others
OFICINAS DE NATAL - “FIGURINOS”
MoreMore
December 21, 2018 / Others
OFICINAS DE NATAL - 'O ORIGAMI COMO PERSONAGEM'
MoreMore
All shows
Seta Submit Seta Email Facebook Facebook Twitter Instagram Pintrest Vimeo Yootube Soundcloud Soundcloud Soundcloud
The use of cookies at Teatro Circo de Braga’s website serves only to register the language chosen by the user and to verify if the user accepted the cookie. If you continue to use this website, it is assumed that you accept these cookies.